Mesmo com a falta de exposição pela mídia, o skate é um esporte muito popular no Brasil

O skate é o segundo esporte mais praticado no Brasil e mesmo assim a divulgação é muito escassa. A mídia raramente transmite campeonatos importantes em televisão aberta e os resultados são encontrados apenas por àqueles que têm interesse no esporte. “Dinheiro sempre responde essas questões. O retorno com o futebol, por exemplo, é bem maior, por isso o divulgam”, explica o professor de educação física e skatista, Marcos Pesch.
O atleta começou a se interessar pelo skate no início dos anos 80, quando o esporte era pouquíssimo divulgado. “Sempre gostei de esportes individuais, como por exemplo, a corrida e a bicicleta. O skate seguiu essa lógica e comecei a praticar em 1985”, completa.
Marcos já praticou skate profissional participando, até o ano de 2002, de competições, como, o Circuito Brasileiro Profissional de Skate. Porém, o skatista não acredita que o esporte deveria ser olímpico. “Não acho que o skate tem uma visão de expressão cultural. Para mim, isso iria podar os praticantes, tirando um dos princípios básicos do skate, que é a liberdade”, ressalta.

A falta de patrocínio relacionada a esse esporte é muito prejudicial aos atletas que tem como objetivo se profissionalizar. Entretanto, esse é um problema referente a praticamente todos os esportes, tirando o futebol, que é visto como um esporte de “paixão nacional”.
O Brasil também não oferece uma boa infraestrutura para os praticantes desse esporte. “Faltam pistas de qualidade, apoio e incentivo das marcas que se dizem de skate, sem falar no governo. Todos visam o próprio lucro, sem pensar em qualquer retorno ao skate”, conta Marcos.
Um dos grandes problemas do skate é ser visto como um lazer e não um esporte, que envolve competições, premiações, entre outros. Segundo o skatista, essa “nova visão” tem que começar da base. “As marcas de skate têm que receber amparo ou incentivo fiscal do governo para poder apoiar mais eventos, sejam grandes ou pequenos. O governo tem que olhar o skate como uma grande ferramenta de inclusão do jovem ao mundo do esporte. O skatista profissional tem que se valorizar mais. Muita coisa tem que mudar, porém a clássica burocracia tende a desanimar todo esse processo”, explica Marcos.

Não existe uma “receita” certa para ensinar ao jovem que sonha em ser skatista profissional. Segundo o skatista, andar de skate é diferente de todos os outros esportes, para aprender é necessário praticar. “Alguns esportes se assemelham e podem trazer uma pequena vantagem para quem já os praticou, como o surf e o snowboard”, completa.
A dedicação e a paixão pelo esporte se complementam e contribuem para uma boa perfomance. “O atleta precisa se dedicar realmente ao skate. Vai machucar bastante, mas a evolução, infelizmente, começa assim. É importante treinar todos os dias se possível, complementar com bicicleta e corrida para melhorar as funções cardiorespiratórias. Alongamentos são muito importantes, pois muitas manobras exigem um corpo flexível”, finaliza Marcos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s